A melhor adaptação de Frankenstein

Ao contrário do resto do mundo, eu não gostei do curta “Frankenweenie”, de Tim Burton. A ideia é ótima, mas a produção me pareceu ter sido feita às pressas e de má vontade (não do Burton, mas dos outros mesmo). Não tenho certeza do por quê, talvez eu simplesmente não esteja acostumada com esse tipo de filme.

Já a animação desse ano, com mesmo nome, virou um dos meus filmes favoritos de todos os tempos. Eu literalmente chorei do começo ao fim, não só porque eu já sabia de tudo o que ia acontecer (ou porque eu sempre choro mesmo em filmes assim) - também por que tudo a história com os bonecos de massinha era muito mais real do que a que foi apresentada com atores de verdade.

Algo que eu não entendo é o pessoal que reclama do filme ser em preto e branco. Gente, o filme fica ainda melhor assim. Deixa tudo com um ar mais sombrio e antigo, e dá uma identidade única à ele. Outros detalhes incríveis são as piadinhas deixadas pela tela, como a tartaruga Shelley e um túmulo escrito "Goodbye Kitty" (nessa eu chorei de rir mesmo).

O stop-motion é absurdo de tão bem feito: os movimentos dos personagens são muito naturais, e as expressões de cada um são únicas. Todos são meio estereotipados, mas o desenvolvimento do roteiro não deixa isso nada incômodo. A história tem TANTAS coisas novas! O relacionamento entre Victor Frankenstein e Sparky, em minha opinião, ficou bem melhor construído, já que eles tem mais tempo de tela juntos antes da catástrofe.

Ah, só continue se não se importar com spoilers.

O enredo meio paralelo envolvendo as outras crianças tentando caprichar no trabalho de ciências também ficou ótimo. Ouvi alguns dizerem que isso desviou demais Sparky e Victor da trama, mas eu acho que só melhorou a história – com o acréscimo daquela confusão, nós vemos como ganância pode encher de coisas ruins um projeto originalmente tão puro. Claro, também levanta a questão sobre como os humanos não deveriam mexer com a morte alheia, por mais carinho que você tinha pelo defunto. E é nesse ponto que meus sentimentos por “Frankenweenie” começam a... falhar?

Olha, eu sei que provavelmente pensaram que seria melhor deixar o final do filme fiel ao do curta, e que assim fizeram. Só que, depois de todos os acontecimentos da história, depois de tanta coisa demonstrando como humanos não deveriam tentar controlar a vida e a morte, certamente um final mais digno teria sido deixar o cãozinho morrer. Eu com certeza teria tido um problema sério com desidratação no meio do cinema, mas teria achado o melhor possível.

Há uma parte em que Sparky vai ao cemitério de animais e vê seu próprio túmulo. Ficou aterrorizado, mas não fez nada além de se deitar em cima do montinho de terra onde seu caixão ficava, como se tivesse reconhecido que infelizmente seu lugar agora era ali (COMO NÃO CHORAR??). E, no começo de sua vida como “undead”, várias mosquinhas não deixavam o pobre cachorro em paz, como se estivessem festejando em volta de carne estragada. Victor deve ter consertado aquilo, mas não deixou de ser muito interessante.


E teria ele virado um cachorro imortal? Toda vez que ele batesse as botas, um raio muito bem feito resolveria o problema. Bom, talvez não, pois Victor aparentou ter aprendido a lição no final de tudo (“Você não precisa voltar...”), mas ainda assim é uma possibilidade a se pensar. E se ele não conseguisse se desligar do cachorro no futuro? Eu tenho um e sei como seria péssimo deixa-lo ir quando a hora chegasse se eu tivesse a possibilidade de evitar. Não sei se eu conseguiria fazer isso, e Victor pode muito bem não conseguir...

Enfim, viajei um pouco longe demais. O que você acha? Esse final acabou sendo “antiético”, como vi uma pessoa dizer? Ou ele foi bom o suficiente para um filme da Disney? Eu acho que poderia ter sido melhor e ter deixado o filme mais inesquecível ainda, mas não afetou na qualidade da produção. Para mim, uma das melhores animações do Burton junto com “O estranho mundo de Jack”.

Ah, o 3D é maneiro, mas dá para sobreviver sem.

Postagens mais visitadas