Sete pecados capitais da literatura

Incrível como toda semana surge uma nova tag entre os vlogueiros literários. Eu participaria, se não tivesse desistido da minha estranha ideia de fazer vídeos para o youtube. Minha câmera não presta, nunca fico sozinha em casa e me falta a paciência para planejar o falatório. Ainda assim, a brincadeira que vi surgir essa semana é tão legal que resolvi entrar também. Não vejo problema participar em formato de texto...

Imagino que, pelo título, o objetivo do meme esteja óbvio: falar sobre o seu relacionamento com os livros seguindo os sete pecados capitais. Vi pela primeira vez no canal da Luara Franca (sempre tão fofa!). Bom, deixem-me responder logo às perguntas.



1. Ganância: qual é o seu livro mais caro? E o mais barato?

O meu livro mais caro ainda é a edição de luxo de "As crônicas de Nárnia", que custou pouco mais de cem reais. Imagino que será para sempre, sou muito mão fechada e, mesmo não sendo mais fã dessa saga, o exemplar é maravilhoso demais! E sempre vale a pena reler as histórias favoritas de vez em quando.

Já o mais barato foi comprado outro dia - "O zen e a arte da escrita", de Ray Bradbury. Me interessei por este por causa de outra vlogueira, a Tati Feltrin. Consegui-o num encontro de venda de livros muito louco, por cinco pratas. Gente, essa feirinha foi hilária, tinha umas duzentas pessoas espremidas da praça de alimentação de um shopping, gritando suas promoções e/ou comprando tudo. Quase fomos expulsos de lá!

Tá bom, vou parar de tagarelar. Vamos para as próximas...



2. Ira: com qual autor você tem uma relação de amor e ódio?

Pensei tanto nessa questão que consegui duas respostas. A primeira responde pelo nome de "Carlos Ruiz Zafón". Nossa, eu me lembro até hoje de como a leitura de "A sombra do vento", feita há anos atrás, foi sensacional. Achei bárbaro, e ansiosa fiquei para ler tudo que o cara tinha escrito. Acabou que não consegui chegar na metade da metade de "O jogo do anjo"; "Marina" foi uma enorme decepção. Era para todos serem tão incríveis quanto o primeiro (overdrama?)!

Jostein Gaarder é outro que não sei se amo ou odeio, pelo mesmo motivo da resposta anterior. Enquanto "O mundo de Sofia" foi um livro brilhante, que me ensinou demais e providenciou muita ajuda nas aulas de filosofia do colégio, as outras obras do norueguês foram muito normais. Depois de abandonar "O dia do curinga", que eu achei que seria brilhante, resolvi não dar mais atenção a ele. De qualquer modo, foi somente por causa dos seus livros que hoje tenho tanta vontade de visitar a Noruega.




3. Gula: que livro você devorou sem vergonha nenhuma?

Muitos. Especialmente nessas últimas semanas, ando desistindo de praticamente todos que levam mais de 7 dias sem ter chegado com o marcador na metade. Ando numa fase extremamente impaciente, e leituras lerdas são leituras abandonadas.

Enfim, o último que devorei foi "A invenção de Hugo Cabret", mais grosso que um tijolo, em menos de dois dias. É bem rápido mesmo de ler, e os cineminhas formados pelas ilustrações são apaixonantes. Só que a história não...mais um desapontamento, o livro não passou de razoável. Talvez tivesse sido melhor se eu fosse mais nova.




4. Preguiça: qual livro você tem negligenciado devido à ela?

Todos...? Estou numa ressaca literária tensa e, como disse acima, a minha paciência com eles está curta. Posso dizer que o livro que me deixa com mais dor na consciência por não ler logo é o meu amado tijolo de Sherlock Holmes. Eu sou chata pra caramba e quero ler tudo na ordem de publicação; infelizmente, meu vocabulário em inglês não é tão bom como eu achei que fosse. Li uns dois contos com muito esforço, e o ânimo para terminar as mil e duzentas páginas antes da volta de "Sherlock" foi para o espaço.




5. Orgulho: qual livro você tem mais orgulho de ter lido?

Estranho, eu sempre fui uma pessoa meio exibida e metida, essa pergunta deveria ter uma resposta fácil.  Bom, não há nenhum livro que desperte uma vontade de me gabar para os outros por eu ter lido e eles não, se é que me entendem. Mas eu fico muito feliz de ter conhecido a saga "Os mundos de Crestomanci", pela Diana Wynne Jones. Eu não entendo como esses livros incríveis são tão desconhecidos, acho que só a falta de exemplares no país explica. Foi uma batalha tensa para eu conseguir o último volume! Se bem que ele ainda nem chegou aqui...

Leiam essa série, pessoas, vale muito a pena. São os livros infantis mais lindos da face da Terra (será que só da nossa?).



6. Luxúria: que atributos você acha mais atraentes em personagens masculinos e femininos?

A aparência do pessoal é o que eu menos presto atenção quando leio um livro, por isso acho tão estranho quando vejo algumas leitoras surtando por causa da beleza de um personagem. Deve ser porque eu sou daquelas que só acredita vendo, então só fico babando com gente bonita se eu puder usar os olhos para admirá-las.

Enfim, eu sempre amo personagens que gostam de um bom sarcasmo e sabem usá-lo bem. Mas imagino que o meu tipo favorito mesmo seja aquele da pessoa extremamente acomodada que sai da vidinha normal e chata para seguir algo mais interessante e triunfante ("Paradise Kiss" feelings!).



7. Inveja: que livro você gostaria de receber de presente?

Todos...! Por menor que esteja o pique para ler, a vontade de comprar nunca passa. Olha, eu gostaria de ganhar aqueles livros que eu nunca encontro em livrarias, sebos, nem lojas virtuais brasileiras (ah, se eu pudesse comprar em sites internacionais!), em lugar nenhum. A lista é enorme, minha gente, e nela está presente: "The perks of being a wallflower"; "A study in Sherlock"; "Looking for Alaska"; " On stranger tides"; a trilogia "To the ends of the Earth"; "Forbidden"; "O. My. Gods."; infinito etc.



Enfim, terminei. Ficou bem maior do que eu esperava...ah, e se considerem taggeados! Se alguém responder, deixa o link para o vídeo ou o texto nos comentários, vou querer ver. Adorei esse meme!

Postagens mais visitadas