Amadurecimento

Meme Literário de Um Mês - vigésimo segundo dia

Cite três personagens literários favoritos

Os personagens que mais me encantam são aqueles que são completamente arrancados da sua zona de conforto e levam umas boas palmadas para conseguir viver no mundo real. Eles são mais raros do que parece - boa parte dos que fingem ser assim chegam no final da história tendo visto muito mas sem ter mudado nada. Muitos mal parecem ter aprendido alguma coisa.


Por isso que eu curto tanto a Caroline Yukari Hayasaka, de "Paradise Kiss" (sim, ela é personagem de mangá, não literário. Não deixa de ser maravilhosa por isso). Ela passou a vida toda na barra da saia da mãe, se esforçando para agradá-la e sem conhecer praticamente nada além de fórmulas para passar nas provas. Quando conhece George e o ParaKiss, tão diferentes do universo que conhecia, demora para aceitá-los. E, quando afinal decide ser livres como eles, arruma coragem para enfrentar a mãe e fugir de casa.

Você acha que ela passou a ser feliz quando começou a seguir os sonhos? Ha, ha. Adoro a história da Yukari por mostrar como é preciso sofrer e ralar muito para conseguir sucesso no que deseja. E como passar por tudo isso vale mais a pena do que viver por osmose.


Outro personagem que eu amo é o Bilbo Bolseiro. Não somente por ele ser muito fofo e interpretado pelo Martin Freeman, mas também por tudo o que ele consegue fazer depois que Gandalf o tira da toca. Como todo bom hobbit, ele imaginava que vida boa se resumia a comer bem e ter uma boa e confortável casa, e que se aventurar era bobagem de idiotas. De qualquer jeito, era respeitado por todos e podíamos considerá-lo feliz. Mas imagino que tudo fique mesmo mais legal depois de enfrentar uns trolls - ou não. Eu não sei se iria gostar disso...

Bom, o importante é que, tendo sido posto à prova, Bilbo consegue não só enfrentar os próprios problemas como também tirar os outros de encrenca. Justamente aqueles que duvidavam tanto do pequeno! Ele deixou de ser alguém chato implorando pela lareira confortável para ser alguém que sabe se cuidar fora de casa. Alguém independente e cheio do dinheiro.


Ah, e o que dizer de Isabel, protagonista de "A marca de uma lágrima"? Outra que vivia para nada. Sua única paixão era escrever, o que ela fazia muito bem. Pena que nem tinha amor próprio e usava esse talento contra ela mesma: os poemas de amor que fazia pensando no seu paquera, Cristiano, eram assinados pela sua melhor amiga para esta ser admirada pelo namorado. Quem você acha que este era? Pois é.

Isabel não se achava digna do cara, e ajudava a amiga a tê-lo na palma da mão. Alguns podem achá-la simplesmente boazinha; para mim, a garota era muito covarde. Ela nem tentou se aproximar dele! Se tivesse tentado, e não tivesse dado certo, aí sim nós poderíamos considerá-la alguém com um grande coração. Só fazia isso por ela mesma, para ficar com a consciência tranquila, não precisando tentar chamar a atenção de Cristiano nem ter que enfrentar uma conversa franca com Rosana.

Enquanto fazia isso ao mesmo tempo que se lamentava com o fato de não estar no lugar da amiga, ela evitava se divertir. Expulsava as novidades que vinham à ela, desprezava aqueles que queriam o seu bem. Se afundou na própria infelicidade. O final desse livro, com Isabel superando os medos e aceitando o que é melhor para ela, é um alívio para os leitores também.

E alguns ainda dizem que não dá para tirar nada de útil de histórias fictícias...


PS: Me desculpem se tiver dado muitos spoilers dessas obras.

Fonte do meme literário.

Postagens mais visitadas