Não pense, não hesite - só escreva

Então, esse ano deu a louca na minha cabeça e resolvi participar do Nanowrimo dias antes de começar. Não havia nada planejado, nenhuma ideia boa o suficiente para um romance saía da minha cabeça, nenhum personagem interessante se apresentava. A parte preguiçosa do meu cérebro não parava de repetir: "Para que se estressar com isso, minha filha? Se não tem nada que valha à pena, não participe". Ao mesmo tempo, algum lugar mais animado me dizia para deixar de frescura e simplesmente fazer algo diferente, nem que acabe ficando ruim. 

Felizmente, decidi seguir as dicas do meu lado corajoso. Para não perder tempo em algo que não iria levar à nada, ignorei a ideia central do projeto - para quem não sabe, o Nanowrimo é um estímulo anual para a escrita de um romance (melhor dizendo, o rascunho de um romance) durante o mês de novembro. Já que não havia nem um resquício de vontade para pensar em uma história maior, decidi ser uma "Nano Rebel" e escrever algo diferente. No final de tudo, o mais importante para um participante desse site é alcançar a meta de cinquenta mil palavras.

"Para alcançar grandes coisas, são necessários: um plano e falta de tempo."
Leonard Bernstein (não me pergunte quem é)

Há muita gente que entrou para o Nanowrimo procurando um pequeno incentivo para projetos totalmente diferentes de um romance: por exemplo, alguns querem fazer um trabalho acadêmico, outros preferiram iniciar um livro não-fictício. Eu decidi fazer do meu documento no Word um, ahn, diário. Estava precisando muito fazer da escrita um hábito de verdade. Desde o dia primeiro estou escrevendo um monte de coisas aleatórias - desde mini-contos a situações bizarras do dia-a-dia, passando por fanfictions e redações para o curso até divagações profundas sobre a vida, o universo e tudo mais. Sempre in english.

Just write.
Falei sobre essa história para algumas pessoas e elas só me olharam com cara de "para que você está perdendo tempo com isso?". É entediante ter que parar para explicar que eu só tenho o que ganhar. Até o momento já foram pouco mais de 10.000 palavras na minha segunda língua. É árduo e chato às vezes, sem dúvidas, mas a única maneira de escrever bem é treinando muito, de preferência todo dia. E, por enquanto não achei melhor maneira de fazer isso do que usando esse site para incentivo. Ainda não se passaram quinze dias e o esforço já está fazendo alguma diferença.

Claro que estamos falando sobre escrever loucamente, até porque é impossível escrever um livro perfeito em um mês. A edição, que com certeza demora muito mais tempo, vem mais tarde. É tudo rascunho mesmo, em novembro o pessoal escreve um monte de bobagem e conserta tudo depois. O importante é começar e terminar. O que deveria ser algo tão simples é na verdade uma das coisas mais complicadas da vida. Começar e terminar...procrastinação mandou lembranças.

Enfim, esse texto todo foi só porque eu queria chegar um pouco mais perto dos cinquenta mil dizer como eu fiz bem em decidir participar de verdade dessa história. Eu sou do tipo que só consegue colocar tudo para funcionar sob uma boa pressão pessoal, e o Nanowrimo é ótimo para isso. É mesmo meio louco se jogar de cabeça em um projeto tão cansativo e que compromete bastante a rotina. Mas mudar um pouco a vida é sempre uma boa ideia, ainda mais se te oferecer uma experiência tão útil à longo prazo.

Nem sei se vou realmente conseguir alcançar a meta nesse mês, mas já estou pensando em novembro do ano que vem. Veremos se até lá eu já estarei pronta para um livro de verdade. Enquanto isso, seria bom eu pensar em um título digno para o meu diário e em como encaixar o estudo de uma prova em um texto que estou escrevendo...

Postagens mais visitadas