É vivendo em Marte que voltamos ao pó

“Às vezes, um livro enche você de um estranho fervor religioso, e você se convence de que esse mundo despedaçado só vai se tornar inteiro de novo a menos que, e até que, todos os seres humanos o leiam.” 
(retirado de 'A culpa é das estrelas' - John Green)

Isso não acontece só com os livros perfeitos. Por exemplo, estou vivendo um dilema do tipo desde que terminei de assistir "Ashes to Ashes". E já tinha ficado assim após ter visto as duas temporadas de "Life on Mars", sem saber que havia essa continuação. Tenho vontade de forçar todas as pessoas que conheço a assistir esses seriados e compartilharem a dor o amor comigo. Porém, como eu já tentei fazer isso diversas vezes com "Sherlock" mas sem absolutamente nenhum sucesso, parei de gastar saliva com isso. Então, tudo o que me resta é ler discussões antigas (de 2010-2011) sobre esses dois programas e discuti-las comigo mesma.

tanto para se falar sobre a história!! Sabe aqueles enredos tão bem feitos que um passo em falso teria destruído tudo? É bem desse jeito. Pena que, se eu escrevesse aqui sobre o funcionamento daquele mundo, sobre as pistas seguidas durante todas as temporadas e os padrões ligando Sam e Alex, soltaria spoilers muito feios. Seria injusto com aqueles que não assistiram (e tão poucos pararam para isso!!). Acho que nem dá para curtir as séries sabendo de tudo, sem ficar quebrando a cabeça tentando entender a verdade ou surtando com cada final de episódio.

Alguns podem torcer o nariz ao saber que são seriados policiais - bom, eu pelo menos não tinha me interessado muito (pois é, eu só assisti por causa do John Simm). A única coisa nova que ofereciam era o acidente que os dois protagonistas sofrem, que resulta em viagens no tempo. Tanto Sam (Life on Mars) quanto Alex (Ashes to Ashes) são policiais do século XXI que se veem presos numa época totalmente nada a ver com aquela que estão acostumados. Por que eles foram arrancados dos seus tempos, afinal de contas? Consertar o lugar? Se redimir consigo mesmos? Ou será que sempre estiveram por lá?

Durante as temporadas nós ficamos fazendo perguntas junto com eles - "deve ser por causa disso que aconteceu, só que aquilo não se encaixa num universo verdadeiro então ele/ela está sonhando mesmo. Mas e aquela outra coisa que citaram na metade do episódio anterior?? Ele/ela sempre viveu nesse lugar, deve ter surtado mesmo". Nós já vivemos com preocupações demais, ficar na dúvida em relação à própria existência daquela maneira tão crucial deve ser um porre.

Foi lindo acompanhar o caminho que os dois protagonistas seguiram. Me emocionei com tudo o que eles aprenderam e, principalmente, com tudo o que eles ensinaram. Tanto que imagino que eu acabe colocando expectativas demais em quem estiver lendo isso. Então, se você estiver para assistir pelo menos a primeira (NÃO assista "Ashes to Ashes" antes!), vá pensando que é simplesmente uma série policial. Com uma história que abre espaço para tudo quanto é interpretação.

E, se for assistir a outra, cuide para não se apegar aos personagens se não quiser que eles se intrometam na sua cabeça quando não for apropriado. Durante uma prova, por exemplo. A não ser se puder escrever uma redação sobre eles, porque assunto não vai faltar, mesmo se não falar sobre esse pessoal diretamente.

Se você tiver assistido às duas séries, converse comigo!! É muito deprimente ter tanta coisa sobre o qual debater mas não ter ninguém para ouvir e responder.


Vídeo fantástico de Life on Mars, feito por uma - recomendo os outros trabalhos dela também. Queria ser talentosa assim.... Ah, esse tem todos os spoilers possíveis, naturalmente.


Postagens mais visitadas