A minha vida literária em 2013: as melhores e as piores leituras

Fim de ano chega e então começamos a pensar nesses trezentos e tantos dias que se passaram, a refletir se valeram a pena. Daí, vem a vontade de fazer retrospectivas das coisas boas e ruins. Meio incentivada  por um vídeo da Tatiana Feltrin que o youtube teve a gentileza de me recomendar há alguns dias, decidi fazer uma listinha com os livros mais marcantes do ano.


 Melhores leituras


  •  As Crônicas de Gelo e Fogo
Estranhamente, eu comecei a ler essa saga numa época em que já não aguentava livros na minha frente. Nem lembro o porquê de ter iniciado; os dois primeiros volumes já estavam em casa, mas tinha certeza absoluta de que nunca iria conseguir terminar uma obra tão grande. Bom, deu no que deu - virou a melhor saga que eu já li na minha vida. Agora, o jeito é sofrer com mais um hiatus e rezar ateisticamente para que George Martin consiga terminar a história.

Os atuais bebês da minha estante <3
Mais um que eu não lembro porque li. Bom, eu precisaria me familiarizar com a história de qualquer jeito, era leitura da faculdade; mas eu nunca tinha tido vontade de ler essa obra, e estava até planejando pegar só resuminhos e artigos baratos na internet (não estava numa época muito boa da vida). Acabei lendo, e foi uma das melhores escolhas que fiz no ano, sem dúvida. Abriu meus olhos para certos detalhes da minha própria vida e de alguns problemas familiares que estive passando; pode não ter resolvido o mais importante, mas com certeza me deixou atenta a aspectos da minha rotina, que estava toda errada. A leitura mais importante sem dúvidas, e a mais traumatizante também...vai demorar um tempinho até eu ter coragem de reler.

Sim, é uma fanfiction. Uma fanfiction Sherlock/John, com cenas +18. Ah, e inclui elementos de Harry Potter no meio - John é um bruxo, Sherlock é trouxa, uma grande ideia que eu nunca tinha visto ser cogitada. Foi uma das histórias mais lindas e criativas que eu li esse ano, e definitivamente uma das fanfictions mais bem escritas que eu já tive a sorte de ver. Esse é o tipo de trabalho de fã que deveria ser publicado oficialmente...


Mal tenho palavras. Foi a melhor graphic novel que eu já vi, com uma carga de nostalgia tão grande que me deixou desorientada. Não estou brincando, eu comecei a chorar assim que eu abri o livro por causa das primeiras ilustrações, mostrando o Cebolinha conhecendo o Floquinho. Acho que não foi só por causa do amor que eu tenho pelos personagens - as ilustrações despertaram um sentimento da minha própria vida também. A história no geral é maravilhosa, angustiante mas ao mesmo tempo leve como os quadrinhos originais. Eu ria e chorava ao mesmo tempo; queria muito um segundo volume, mas talvez seja melhor deixar como está mesmo e evitar o desgaste.

Estou arrependida por não ter comprado a edição de capa dura...

Uma das coisas que me mantêm inutilmente acordada à noite é o destino do universo e dos seres humanos. Como não tenho religião, a ideia que eu tenho para a resposta disso é a pior possível. E essa história do Issac Assimov parece ser feita para pessoas como eu; é brilhantemente escrito, de maneira que eu consigo ver esse destino que ele propôs. Talvez seja impossível, no final, mas nunca será improvável - afinal, não há nada que mais grita mais alto nos seres vivos do que o instinto de sobrevivência. Não vou me estender muito porque não vou saber bem o que falar mesmo; então, apenas peço que leia ou assista o vídeo (é só clicar no nome), seja qual for a sua crença... 



Compras e leituras mais estranhas

No começo, eu estava achando a história muito boa; mas tudo foi passando e passando, e ela praticamente não andava. Se antes eu estive angustiada e sofrendo junto com as irmãs, tão presas na rede da mãe que praticamente não conseguiam viver, chegou uma hora em que eu simplesmente cansei. O vício dos personagens principais nas garotas, que tinha começado a me assustar em certo momento, acabou por me deixar ainda mais enjoada do livro. Então chegou o final, bem decepcionante para mim - mais pelo fato de nada ter ido como eu tinha imaginado do que por qualquer outra coisa. Mas ver os comentários dos outros sobre essa obra me deixa meio mal. Sei lá, eu realmente não gostei, só que todo mundo diz que é tão incrível...

Sobre esse livro, eu só tenho para dizer isso: é uma bosta. Adoro o Bukowski; li a preview de "Pulp" no kobo, achei o 1º capítulo muito bom e decidi comprar. Nossa, mas que desperdício de dinheiro! O início da história - uma paródia de contos de detetives idiotas e falidos - é muito interessante, mas a medida que vai passando as coisas vão ficando tão imbecis e absurdas até para um enredo irônico; deu a impressão que o autor cansou na metade e terminou de qualquer jeito. Perdi tempo insistindo...

Ficção científica sobre uma fonte de energia infinita, que envolve a idiotice e ingenuidade dos seres humanos; - só esse elemento era o suficiente para me atrair. Acrescente o fato de que essa obra foi uma das inspirações para o roteiro de Fringe - ou seja, havia também universos paralelos e "protótipos" de Observadores. Lá fui eu, toda animada, ler esse livro; a primeira parte é genial, contada em forma não linear e misturando teorias da conspiração com descobertas e fraudes científicas, tudo extremamente realistao. Mas aí chegamos na segunda parte, que se passa em outro universo, outro tempo, outro planeta, até; não consegui me acostumar com os seres que moram por lá, menos ainda com a protagonista desse local. Acho que abandonei ainda no primeiro capítulo; é uma pena, porque eu quero demais saber como a história se desenrola, mas a paciência para seguir nesse mundo novo é curta. Não sei se me desfaço ou não do livro...

A capa é tão bonita...
Uma mistura do que eu passei com "Os próprios deuses" e "Pulp". Também comprei em formato e-book: li o primeiro capítulo de graça, achei fantástico e comprei sem pensar duas vezes (a facilidade de se comprar livros digitais é perigosa, gente!!). Segundo capítulo foi bom, o terceiro legalzinho; os dois, acho, tinham cenas totalmente aleatórias sem conexão nenhuma com a trama principal (uma em especial apresentou uma imagem que me traumatizou). Mas depois tudo foi ficando TÃO chato, e TÃO lento, e TÃO eu-não-consigo-me-importar-mais-com-ninguém-nessa-porra, que não tive outra escolha senão abandonar. O enredo ainda parece muito atraente para mim, mas acho que não vai rolar. Por isso, me arrependo profundamente de ter comprado em e-book - esse e o do Bukowski - já que não tenho como trocar nem como vender...E esse "American gods" não foi tão barato assim! Alguém tem uma dica do que eu posso fazer com esses livros?

Como faz para revender e-books? :(

"xxxHolic", apesar de ter sua história totalmente bagunçada pelo entrelaçamento com "Tsubasa Resevoir Chronicle", é um dos mangás favoritos da minha vida. Até hoje eu sou meio apegada a alguns personagens, e o final me fez chorar lágrimas de sangue. Quando soube que havia um livro com capítulos extras, fiquei obviamente louca poe ele, mesmo que não tivesse sido escrito pelas meninas do CLAMP. Acabei comprando pelo BookDepository, e por um preço bem salgado, de tão desesperada que estava para ler. E, bom, foi uma leitura meio decepcionante...acho que "xxxHolic" só funciona em versão mangá mesmo - mas acho que boa parte foi culpa do autor. Ele não soube trazer a atmosfera do enredo para a forma de romance, e me pareceu uma escrita bem preguiçosa, não detalhando nada, quase como se fosse para crianças - e, por favor, essa saga não serve para um público infantil. Agora, eu tô querendo vender o livro, mas parece que ninguém se interessa muito...


Nossa, desabafar é bom! E escrever essas listas também, eu gosto de ter uma overview do que eu faço...e vocês? Tiveram um bom ano de leituras?

Postagens mais visitadas