The Hunger Games

Eu preciso muito de um broche desses.
Meia Palavra é o meu site preferido sobre literatura, e com certeza um dos melhores por aí. Tem um conteúdo realmente muito bom, por isso me senti orgulhosa quando vi meu texto sobre The Hunger Games (Jogos Vorazes aqui no Brasil) publicado lá!

Essa série literária - mais uma trilogia da vida - foi uma das melhores coisas lidas por mim nesse ano. A autora Suzanne Collins meio que renovou o gênero young adult, desviando um pouco essa febre de seres sobrenaturais se apaixonando por humanos que já está insuportável. Se fôssemos encaixar os livros em uma escola literária, eu os colocaria no Realismo. O enredo é excelente, prendendo a atenção de qualquer um, contando uma história tensa do início ao fim, sobre guerra, miséria, alienação, revolução e superação. É incrível como os personagens são reais, como os próprios acontecimentos podem ser reais algum dia (se é que já não tenham alguns por aí).

A sinopse é, basicamente, sobre os Hunger Games, um reality show em que 24 adolescentes são sorteados para lutarem até a morte. O que restar vence. Isso acontece num país chamado Panem, que surgiu do que restou da América do Norte, e é feito para o governo mostrar à população quem manda. Só daí já dá para ter uma ideia das críticas contra nós mesmos que estão presentes na série.

Eu estou realmente muito ansiosa para a estréia do filme, que é em 23 de março. O trailer saiu nesse mês, e está PERFEITO. Perdi a conta de quantas vezes eu o assisti:



Eu fiquei tão triste quando vi tantos comentários negativos sobre ele por quem não leu o livro! Parece que só os fãs mesmo entenderam o capricho que a Lionsgate está prestando à série. Até agora está tudo tão perfeito que ultimamente tenho até medo das minhas expectativas estragarem tudo.

Algo que me irrita é que a série é muitas vezes vendida como infanto-juvenil ou até mesmo como infantil. Como?? Por quê??! A história, os acontecimentos, é tudo muito violento. Desde as batalhas sangrentas até os conflitos internos que os personagens sofrem, eu achei algumas fortes demais até para mim, imagina para crianças? Os livros deveriam estar nas estantes de livros adultos mesmo, não é só porque a protagonista é adolescente que a história é necessariamente juvenil ou infantil. Caramba, a cena em que (spoiler do último livro!) chega aquele hovercraft (helicóptero? não sei qual é a tradução) lançando bombas naquelas crianças chegou a me dar pesadelos, fiquei realmente horrorizada. Não só por causa da cena na minha cabeça, mas por pensar que isso acontece fora da ficção também.

Enfim, eu recomendo demais a leitura. Há muitos que dizem que Collins plagiou um mangá chamado Battle Royale, que também tem como tema principal adolescentes se matando por causa de um governo controlador. Bom, eu não o li, mas espero fazê-lo muito em breve. Ainda assim, The Hunger Games não é para se rejeitar. Com o sucesso que está fazendo, quem sabe os jovens não passam a ler mais e melhor?

Postagens mais visitadas