Andei assistindo: Sherlock 2x02 - The hounds of Baskerville



Não é necessário ser mindblowing para ser bom.


Eu percebi que há vários fãs da série que não gostaram muito desse episódio. Tenho certeza de que a grande causa disso foi o ritmo utilizado, bem mais lento do frenético estilo de Moffat em "A scandal in Belgravia". Não gostar é um direito, mas dizer que foi ruim é mentira; o roteiro de Gatiss foi muito bem trabalhado, continuando de maneira excelente o desenvolvimento dos protagonistas mostrado semana passada. Enfim, The hounds of Baskerville mereceu a nota 10 em 10 no IMDb (assim estava pelo menos enquanto eu escrevia esse texto).









Spoilers abaixo

A história está excelentemente amarrada, assim como todas do gênero policial deveriam ser. Tudo acontece por algum motivo, e absolutamente nada é deixado para trás.

"As pessoas dizem que coincidências não existem. Quem vidas chatas elas devem ter."

Mas o ponto forte do episódio foi a evolução tanto de Sherlock e John quanto de Henry, interpretado brilhantemente por Russell Tovey. O desespero do seu personagem foi muito bem colocado, sem nunca parecer exagerado ou caricato.

E Sherlock assustado foi realmente sinistro. Cumberbatch estava excelente, suando e tremendo, me deixando com muita pena do detetive consultor ao vê-lo nesse estado ao mesmo tempo em que eu achava lindo vê-lo se tornar cada vez mais humano. E Freeman aproveitou muito bem o destaque maior que teve. A cena do laboratório ficou ótima, a voz dele falhando enquanto tentava falar aumentava a tensão que eu sentia.

E, é claro, não podia faltar mais do relacionamento entre os mais novos astros da internet. Gostei de ver como eles agora trabalham juntos mesmo, sem ser só Sherlock deduzindo e John assistindo. E foi muito fofo ver o primeiro arrependido por ter magoado o amigo, tentando voltar de uma vez por todas com o clima normal, ainda que o tenha usado como cobaia depois disso...algumas coisas ainda demorarão a mudar.

<3
Os efeitos visuais continuam excelentes, só que agora não tão presentes. Imagino como deve ter sido filmar a cena do palácio mental: ficou incrível, mas eu me sentiria meio idiota fazendo todas aquelas poses. E eu achei demais como, ao contrário de todos os outros efeitos de computação, o cão ficou bem mal feito. Para mim não foi descuido, mas sim um modo de realçar a falsidade do monstro.

A única coisa que eu realmente não gostei no episódio foi que o principal da história foi bem previsível - estava óbvio que Frankland estava por trás de tudo e que o cão não era real. E por favor John, até eu sabia que tinha (ou era para ter) algo de errado naquele café!

De qualquer jeito, eu gostei muito de "The hounds of Baskerville", muito mais do que de "The blind banker", 2º episódio da primeira temporada. O final foi bem estranho e curioso, fiquei ainda mais ansiosa para o último. Se bem que eu queria que essa espera se estendesse mais um pouco. Vai saber quando vamos ter (se tivermos) a 3ª temporada!

Sim, eu já estou sentindo falta deles!

E, com a palavra, Sr. Moffat:

"A mulher foi salva e perdida, o cão está morto - agora só falta a queda. Vocês têm uma semana para se prepararem..."

Postagens mais visitadas